RSS

Os Judeus no Brasil

11 abr

A HISTÓRIA DOS JUDEUS NO BRASIL

trem1
A presença de judeus no Brasil vem desde 1500, quando a esquadra de Pedro Álvares Cabral aportou na Bahia. Viajavam como conselheiros dois judeus: Mestre João, médico particular do rei e astrônomo, tinha a incumbência de realizar pesquisas geográficas e Gaspar de Lemos, intérprete, falava várias línguas e possuía grande experiência em viagens marítimas.
Logo depois da chegada dos lusitanos no Brasil, o rei de Portugal Dom Manuel concedeu a exploração da nova colônia a um grupo de judeus comandados pelo novo-cristão Fernando de Noronha. Mediante um acordo de arrendamento pelo prazo de três anos, ele cumpriria os compromissos de explorar, desbravar e cultivar o litoral brasileiro construindo fortalezas e protegendo-as durante o prazo do contrato.
A invasão holandesa no Nordeste, liderada pelo conde Maurício de Nassau, no século 17, trouxe um aumento da presença de judeus na região. Por causa da tolerância religiosa do governo holandês, passaram a praticar a religião judaica o que resultou na construção da primeira sinagoga das Américas: A Kahal Zur Israel (A Rocha de Israel), em Recife.

Imigração judaica no século 19
Novos fluxos migratórios judaicos para o Brasil ocorreriam no século 19, com a chegada de um pequeno número de judeus em Salvador. Muitos deles foram trazidos da Europa Oriental (Rússia e Polônia) pela companhia de imigração Jewish Colonization Association (conhecida pela sigla JCA).
Alguns foram levados para o Rio Grande do Sul, para as cidades de Passo Fundo, Santa Maria e, sobretudo, para Porto Alegre. Essas comunidades de sefaraditas vindos da Grécia, Turquia, Síria e Líbano e asquenasis, vindos dos países do Leste Europeu, Rússia, Alemanha e Polônia (na sua maioria falavam o ídiche, dialeto que mistura alemão com hebraico e palavras eslavas) se instalaram nas grandes cidades, principalmente em São Paulo dedicando-se ao pequeno comércio, à venda de objetos a prestações (que precedeu os crediários) e ao comércio ambulante de gravatas. No fim do século 19 judeus da Alsácia, região que pertence à França estabeleceram-se no Rio, especializando-se no comércio de jóias e de artigos de luxo. Era a época de dom Pedro 2o, monarca que se interessava muito pelo judaísmo, chegando a aprender o hebraico.

A imigração judaica em São Paulo
A imigração judaica ao Estado de São Paulo se deu em três ondas significativas. A primeira foi no final do século 19 e na primeira metade do século 20. Nessa ocasião, a perseguição aos judeus e as péssimas condições de vida na Europa foram as causas da chegada dos primeiros grupos de imigrantes. A segunda onda imigratória aconteceu durante a Segunda Grande Guerra Mundial, forçada pela perseguição nazista. A terceira onda imigratória aconteceu entre as décadas de 50 e 60, depois da criação do Estado de Israel.

Profissões e atividades dos judeus em São Paulo
No final da década de 1930, quase todos os judeus que chegaram em São Paulo eram vendedores ambulantes ou dedicaram-se ao pequeno comércio, trabalhando como alfaiates, cocheiros e barbeiros. Ascendendo, mais tarde, na escala social, foram desenvolvendo atividades em ramos da construção civil e da indústria.
Heneleja Mucinic, uma senhorinha muito simpática e cheia de vida aos 74 anos, que gosta de ser chamada de Leia, conta que chegou ao Brasil aos 10 anos em 1939, vinda da Lituânia. O pai, Samuel Suckever era mascate, que em ídiche quer dizer klientelchik. Ele chegou dois anos antes e instalou-se em São Vicente onde pegava as mercadorias e as vendia em São Paulo. “Meu pai andava de porta em porta vendendo gravatas, toalhas, tecidos, camisas, e quase todos os judeus que chegaram nessa época eram vendedores ambulantes, depois foram melhorando de vida e abrindo lojas na Rua José Paulino, no Bom Retiro e nas Ruas Direita e São Bento, no Centro”. diz Leia Mucinic, que morou nos Campos Elíseos e estudou odontologia na USP, numa época em que as mulheres que tinham curso superior eram a minoria. Ela conta também que os judeus mascates se ajudavam entre eles. “Quando uma pessoa não pagava, eles pregavam um prego ou tchvok na porta do caloteiro, esta era a forma de avisar os colegas para que não vendessem suas mercadorias ali”.
Muitos judeus oriundos da França trouxeram à cidade o bom gosto e o requinte no vestir abrindo joalherias e lojas de artigos finos na rua da Imperatriz, atual Quinze de Novembro. Alguns se dedicavam às profissões liberais e moravam nos bairros do Bom Retiro, Mooca e Brás. Estima-se que no início da década de 1939 havia em São Paulo 20 mil judeus.
Os filhos foram para as universidades o que facilitou o processo de integração na sociedade brasileira. Hoje, a comunidade judaica em São Paulo é de 60 mil judeus e atua em diversos setores, incluindo as artes e a cultura. Os judeus estão concentrados nos bairros de Higienópolis, Jardins, Moema, Perdizes, Pinheiros e Bom Retiro.

About these ads
 
5 Comentários

Publicado por em abril 11, 2009 em Uncategorized

 

5 Respostas para “Os Judeus no Brasil

  1. ONNQ

    outubro 24, 2012 at 9:01 am

    A meGaLOBO RACISMO? A violência do preconceito racial no Brasil personagem (Uma negra degradada pedinte com imagem horrenda destorcida e bosalizada é a Adelaide do Programa Zorra Total, Rede Globo do ator Rodrigo Sant’Anna? Ele para a Globo e aos judeus é engraçado, mas é desgraça para nós negros afros indígenas descendentes, se nossas crianças não
    tivessem sendo chamadas de Adelaidinha ou filha, neta e sobrinha da ADELAIDE no pior dos sentidos, é BULLIYING infeliz e cruel criado nos laboratórios racistas do PROJAC (abrev. de Projeto Jacarepaguá, como é conhecida a Central Globo de Produção) é o centro de produção da Rede Globo que é dominado pelos judeus Arnaldo Jabor, Luciano Huck,Tiago Leifert, Pedro Bial, William Waack, William Bonner, Mônica Waldvogel, Sandra Annenberg Wolf Maya, Daniel Filho e o poderoso Ali Kamel diretor chefe responsável e autor do livro Best seller o manual segregador (A Bíblia do racismo,que ironicamente tem por titulo NÃO SOMOS RACISTA baseado e num monte de inverdades e teses racistas contra os negros afro-decendentes brasileiros) E por Maurício Sherman Nisenbaum(que Grande Otelo, Jamelão e Luis Carlos da Vila chamavam o de racista porque este e o Judeu racista Adolfo Block dono Manchete discriminavam os negros)responsável dirige o humorístico Zorra Total Foi o responsável pela criação do programa e dos programas infantis apresentados por Xuxa e Angélica, apresentadoras descobertas e lançadas por ele no seu pré-conceitos de padrão de beleza e qualidade da Manchete TV dominada por judeus,este BULLIYING NEGLIGENTE PERVERSO que nem ADOLF HITLER fez aos judeus mas os judeusionistas da TV GLOBO faz para a população negra afro-descendente brasileira isto ocorre em todo lugar do Brasil para nós não tem graça, esta desgraça de Humor,que humilha crianças é desumano para qualquer sexo, cor, raça, religião, nacionalidade etc.o pior de tudo esta degradação racista constrangedora cruel é patrocinada e apoiada por o Sr Ali KAMEL (marido da judia Patrícia Kogut jornalista do GLOBO que liderou dezenas de judeus artistas intelectuais e empresários dos 113 nomes(Contra as contra raciais) com o Senador DemóstenesTorres que foi cassado por corrupção) TV Globo esta mesma que fez anuncio constante do programa (27ª C.E. arrecada mais de R$ 10,milhões reais de CENTARROS para esmola da farsa e iludir enganando escondendo a divida ao BNDES de mais de 3 bilhões dollares dinheiro publico do Brasil ) que tem com o título ‘A Esperança é o que nos Move’, o show do “Criança Esperança” de 2012 celebrará a formação da identidade brasileira a partir da mistura de diferentes etnias) e comete o Genocídio racista imoral contra a maior parte do povo brasileiro é lamentável que os judeus se divirtam com humor e debochem do verdadeiro holocausto afro-indigena brasileiro é lamentavel que o Judeu Sergio Groisman em seu Programa Altas Horas e assim no Programa Encontro com a judia Fátima Bernardes riem e se divertem. (A atriz judia Samantha Schmütz em papel de criança no apoteótico deste estereótipo desleal e cruel se amedronta diante aquela mulher extremem ente feia) para nós negros afros brasileiros a Rede GLOBO promove incentivo preconceito raciais que humilha e choca o povo brasileiro Antonio M. Silva da Organização Negra Nacional Quilombo – ONNQ 20/11/1970 – REQBRA Revolução Quilombolivariana do Brasil quilombonnq@bol.com.br

     
    • tonihuff

      outubro 24, 2012 at 12:56 pm

      Impressionante como o Racismo de algumas pessoas tentam explicar por alguma
      frustracao pessoal,principalmente vindo de uma pessoa de cor,cujos parentes e o proprio
      sofrem e sofreram discriminacoes da propria raca,e vem aqui vomitar um odio sem
      razao nenhuma pelo simples fato de odiarem os judeus,sem mesmo explicar o porque disto.
      chamando inclusive antes de por o nome de judeu ou judia,como algo pejorativo.
      E o pior ,assina tambem como um tal Quilombo,algo que ja nao existe mais nos tempos
      de hoje.Entao pergunto,porque essas pessoas,se e que podemos chama-las assim,
      sao sempre Ignorantes? qual o motivo para nos odiarem?
      O que nos judeus fizemos para eles?
      Porque a lei nao toma uma providencia contra este tipo de CRIME?
      So tenho pena e desgosto de gente como essa.
      Fabio Gotthilf.

       
  2. lessandra

    agosto 6, 2013 at 7:14 pm

    gostei interessante

     
  3. Luciana Colrs

    janeiro 6, 2014 at 6:23 pm

    e os judeus da região amazônica???

     
    • tonihuff

      janeiro 20, 2014 at 7:34 am

      Em outro post falaremos deles

       

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 67 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: