RSS

Jornalista do Estadão sofre para entrar na Jordania

28 mar

O jornalista Gustavo Chacra  do jornal O Estado de São Paulo, titular de um dos mais conceituados blogs da Internet,  Diário do Oriente Médio. http://blog.estadao.com.br/blog/chacra , onde são discutidos diáriamente assuntos pertinentes as suas viagens por países como Turquia, Siria, Israel, Libano.  Gustavo acabou de chegar a Jordania, país árabe fronteiriço a Israel e com tratado de paz com os judeus.  Em seu blog descreve como são os países,  pessoas e tradições locais.  No mundo globalizado de hoje verificamos que quando se trata de brasileiros viajando sempre existem boas e más noticias. Ao contrário de suas entradas nos países árabes e até de Israel, onde foi bem tratado, apesar de seu sobrenome árabe ( libanes ). Na Jordania foi barrado com um festival de perguntas sobre a sua origem brasileira. Abaixo a sua descrição do acontecido. Tirado do seu blog

Link permanente Rainha Rania luta contra islamofobia enquanto seu país tem preconceito contra sulamericanos

por Gustavo Chacra

Um amigo meu iraniano disse certa vez que me invejava. “Toda vez que você diz ser do Brasil, as pessoas sorriem. Imagine ter que responder que é do Irã?”. Realmente, concordo com ele. Ser brasileiro abre portas. Em quase todos os países por onde passei, sempre vi uma feição de entusiasmo ao checarem o meu passaporte. Claro, houve o episódio israelense. Mas, naquele caso, o problema era a quantidade vistos árabes e meus avós serem libaneses.

Hoje, em Amã, imaginei que seria tão simples entrar quanto foi no Egito ou na Turquia. Desembarquei, troquei dinheiro pela valorizada moeda jordaniana e fui para o balcão onde se compra o visto. Americanos, suíços, japoneses e ingleses estavam na minha frente. Todos davam o passaporte, o dinheiro do pagamento, um homem recebia e o outro, do lado, já servia como imigração. Fiz o mesmo. Dei meu passaporte. Mas ele travou. O homem conversava ao telefone dizendo que estava com um passaporte brasileiro nas mãos. Estranhei. As pessoas atrás de mim na fila continuavam pegando o visto em menos de 30 segundo. E eu há quinze minutos ali, aguardando. Reclamei. O homem disse para eu esperar. Até que chegou um cidadão de bigodinho e me pediu para acompanhá-lo. Queria me revistar e interrogar.

Jordaniano – De onde você vem?
Eu – Do Cairo.
Jordaniano – É a primeira vez na Jordânia?
Eu – Terceira
Jordaniano – Quantos dias você vai ficar?
Eu – Poucos, menos de uma semana. Mas qual o problema comigo? Por que todos os turistas passaram diretamente e eu estou sendo interrogado? É por que sou jornalista? (nota – ele tem como saber isso porque está escrito no meu visto sírio a palavra sahaf, que quer dizer jornalista em árabe)
Jordaniano – O problema é que você vem da América do Sul. Fazemos o mesmo com quem é do México, Venezuela, Argentina e Brasil.
Eu – O México não é na América do Sul. Mas qual o problema dos nossos países?
Jordaniano – Vocês podem ser traficantes de droga, de cocaína
Eu – Você está insinuando que apenas pelo fato de eu ser brasileiro há a suspeita de que seja traficante? Isso é preconceito.
Jordaniano – São ordens e tenho que respeitá-las.
Eu – Mas você não pensou que a Jordânia está agindo da mesma forma que os países que barram árabes por causa do estereótipo de terrorista? Vocês estão fazendo a mesma coisa. Isso é racismo. Uma vergonha.
Jordaniano – Não sei o que fazem nos outros países. Aqui, nós revistamos pessoas que chegam da América do Sul.
Eu – Eu não vim da América do Sul. Estava no Egito.
Jordaniano – Mas estava antes.
Eu – Antes do Egito eu estava na Turquia. E antes Nova York, Tel Aviv, Gaza.
Jordaniano – Você é brasileiro. Prendemos todas as semanas várias pessoas do seu país que chegam aqui com droga.
Eu – Isso não é verdade. Nunca escutei histórias a respeito. Podem haver casos isolados. Mas duvido que seja tão comum.
Jordaniano – Acredite
Eu – Acho lamentável a sua rainha ir ao YouTube tentar defender os muçulmanos, buscando corretamente eliminar a imagem de terrorista atrelada a esta religião, enquanto o país governado pelo marido dela age com preconceito. Ela reclama do tratamento que os muçulmanos recebem no Ocidente, mas o rei Abdullah trata os sulamericanos desta forma aqui na Jordânia. Você barraria o Ronaldo, o Kaká?
Jordaniano – Se viessem da América do Sul, eles também seriam revistados.
Eu – Isso é preconceito

Terminou a revista, ele pediu desculpas e não parava de dizer que eu era bem vindo à Jordânia. Quem sabe, se meu passaporte fosse britânico. Claro, não descarto a possibilidade de terem me revistado e interrogado porque sou jovem ou jornalista. O problema é que o oficial jordaniano deixou claro que o motivo não era a minha idade ou profissão, mas a minha nacionalidade.

Como veem as viagens de brasileiros estão ficando muito dificeis

Anúncios
 
Deixe um comentário

Publicado por em março 28, 2009 em Uncategorized

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: