RSS

O que é um Palestino

08 abr

O  Que  é  um  Palestino?

Desde que eu escrevi uma coluna, outubro passado, entitulada “Mitos do Oriente Médio”, leitores do mundo todo têm frequentemente me perguntado o que quer dizer o termo “palestino”.

A resposta simples é que quer dizer qualquer coisa que Yasser Arafat quer que queira dizer.

O próprio Arafat nasceu no Egito. Mais tarde ele se mudou para Jerusalém. Na verdade, a maior parte dos árabes que vivem dentro das fronteiras de Israel hoje vieram de algum outro país árabe em algum momento de suas vidas.

Por exemplo, desde logo no início dos acordos de Oslo, mais de 400.000 árabes adentraram Judéia e Samária ou Gaza. Eles vieram da Jordânia e do Egito; e, endiretamente, de todo e qualquer país árabe que você possa citar.

Os árabes construíram 261 assentamentos na Margem Ocidental desde 1967. Não se costuma ouvir muito sobre estes assentamentos. Por outro lado, escuta-se muito sobre o número de assentamentos israelenses que foram criados. Ouvimos sobre quão desestabilizadores eles são — quão provocadores eles são. No entanto, comparativamente, apenas 144 assentamentos judaicos foram construídos desde 1967 — incluindo aqueles que circundam Jerusalém, os localizados na Judéia, Samária e em Gaza.

O número de colonos árabes baseia-se em estatísticas reunidas na Ponte Allenby e outros pontos de coleta de dados entre Israel e a Jordânia. Baseia-se no número de trabalhadores diaristas árabes que entram em Israel e não saem. Os números foram publicados pelo Escritório Central de Estatísticas de Israel durante a administração de Binyamin Netanyahu, e foram subsequentemente negados como “erros de relatório” pela administração de Ehud Barak.

É claro que a administração Barak tinha incentivos para negar os elevados números da imigração ilegal, dada sua pesada confiança depositada em votantes árabes.

Acaso seria este um fenômeno novo? Absolutamente não. Sempre foi assim. Árabes têm rumado para Israel desde que este foi criado, e mesmo antes, coincidindo com a onda de imigração judaica para a Palestina anterior a 1948.

Winston Churchill disse em 1939: “Longe de serem perseguidos, os árabes têm vindo às multidões para o País, e têm se multiplicado ao ponto de sua população ter crescido mais do que todo o mundo judaico junto teria capacidade de aumentar a população judia.”

Isto levanta uma questão que eu nunca ouvi ninguém perguntar: Se a política de Israel torna a vida tão intolerável para os árabes, então por que eles continuam a dirigir-se para o Estado Judeu?

Esta é uma pergunta importante agora que vemos o debate palestino deslocar-se para a questão do “direito de retorno”.

De acordo com as afirmações mais liberais de fontes árabes, algo entre 600.000 e 700.000 árabes deixaram Israel em 1948 ou por volta disso, quando o Estado Judeu foi criado. A maior parte não foi expulsa por judeus, mas saiu a pedido dos líderes árabes que declararam guerra a Israel.

No entanto, há bem mais árabes vivendo nestes territórios agora do que jamais houve. E muitos dos que saíram em 1948 tinham de fato suas raízes em outras nações árabes.

É por isso que é tão difícil definir o termo “palestino”. Sempre foi. O que ele significa? Quem é um “palestino”? Seria alguém que veio a trabalho à Palestina devido a uma explosão econômica com novas oportunidades de emprego? Seria alguém que vinha vivendo na região havia dois anos? Cinco anos? Dez anos? Seria alguém que alguma vez visitou a área? Seria qualquer árabe que gostaria de viver naquela área?

Os árabes superam os judeus em números, no Oriente Médio, por um fator de cerca de 100 para um. Mas quantos destas centenas de milhões de árabes são de fato palestinos? Não muitos.

A população árabe da Palestina foi historicamente extremamente baixa — antes do renovado interesse dos judeus pela área, que começou no início dos anos 1900.

Por exemplo, um guia de viagens para a Palestina e Síria, publicado em 1906 por Karl Baedeker, ilustra o fato de que, mesmo quando o Império Islâmico Otomano dominava a região, a população muçulmana de Jerusalém era mínima.

O livro estima a população total da cidade em 60.000 pessoas, dos quais 7.000 eram muçulmanos; 13.000 eram cristãos e 40.000 eram judeus.

“O número de judeus tem crescido grandemente nas últimas décadas, a despeito do fato que eles são proibidos de imigrar ou possuir terras”, o livro afirma.

Embora os judeus fossem perseguidos, ainda assim eles vieram para Jerusalém e representavam a maioria absoluta da população já desde 1906.

Por que a população muçulmana era tão baixa? Afinal de contas, nos dizem que Jerusalém é a terceira cidade mais santa no Islã. Certamente, se esta fosse uma crença amplamente aceita em 1906, mais devotos teriam para lá se assentado.

A verdade é que a presença judaica em Jerusalém e por toda a Terra Santa persistiu ao longo de toda sua sangrenta história, como está documentado na obra fundamental de Joan Peters sobre o conflito árabe-judaico na região, “From Time Immemorial” – “Desde Tempos Imemoriáveis”.

Também é verdade que a população árabe cresceu seguindo-se à imigração judaica para a região. Os árabes vieram por causa da atividade econômica. E, creiam ou não, eles vieram porque havia mais liberdade e mais oportunidades em Israel do que em seus países de origem.

O que é um palestino? Se algum árabe possui direito legítimo de reclamar propriedade em Israel, devem ser aqueles que foram ilegalmente deprivados de suas terras e lares após 1948. Arafat não possui tal direito. E poucos – se algum, daqueles que estão atirando, explodindo e aterrorizando israelenses hoje – também o têm.

Joseph Farah é jornalista árabe-americano-cristão, de origem libanesa, editor-chefe do World Net Daily.

Escrito por: Joseph Farah – Publicado Orig. no World Net Daily – Traduzido por Zalman Girtman

 
Deixe um comentário

Publicado por em abril 8, 2009 em Uncategorized

 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: