RSS

>As 10 maiores mentiras sobre Israel

25 nov

>

MENTIRA # 1
Israel foi criado por culpa européia sobre o Holocausto nazista. Por que os palestinos devem pagar o preço ?

Três mil anos antes do Holocausto, antes que houvesse um Império Romano, os reis de Israel e dos profetas caminharam pelas ruas de Jerusalém. O mundo inteiro sabe que Isaías não falava suas profecias de Portugal, nem as lamentações de Jeremias da França. Reverenciado por seu povo, Jerusalém é mencionada nas Escrituras Hebraicas 600 vezes – mas nenhuma vez no Corão. Durante o exílio de 2.000 anos houve presença judaica contínua na Terra Santa, assim como no renascimento moderno de Israel a partir de 1800. Sempre existiu uma maioria judaica, muitos anos antes do nazismo

Depois do Holocausto, cerca de 200.000 sobreviventes encontraram refúgio no Estado judeu, criado por uma votação de dois terços das Nações Unidas em 1947. Logo 800.000 judeus que fugiam da perseguição em países árabes chegaram. Nas décadas seguintes, Israel absorveu um milhão de imigrantes da União Soviética e milhares de judeus etíopes. Hoje, longe de ter um vestígio de culpa ou do colonialismo europeu, Israel é uma sociedade diversa, cosmopolita, cumprindo o velho sonho da viagem de um povo, Retorno a Zion, sua antiga pátria.

MENTIRA # 2
Se Israel tivesse se retirado em 1967 e voltado as antigas fronteiras, a paz teria vindo há muito tempo.

Desde 1967, Israel vem dando “terra por paz”. Em consequência da visita do presidente egípcio Sadat a Jerusalem em 1977 e aos Acordos de Paz de Camp David, Israel retirou-se da vasta península do Sinai e fez as pazes com o Egito .
Em 1995, a Jordânia assinou um tratado de paz com Israel, mas nem os palestinos e nem os outros países árabes o fizeram.
Em 1993, Israel assinou os Acordos de Oslo e cedeu o controle administrativo da Cisjordânia para a Autoridade Palestina (antiga OLP). A AP nunca cumpriu sua promessa de acabar com os ataques da propaganda e da chamada Carta Nacional Palestina para a destruição de Israel.

Em 2000, o primeiro-ministro Barak ofereceu a Yasser Arafat a soberania total sobre 97% da Cisjordânia, um corredor para Gaza, e uma capital na seção árabe de Jerusalém. Arafat disse NÃO. Em 2005, o primeiro-ministro Sharon retirou unilateralmente Israel da Faixa de Gaza. Tomada por terroristas do Hamas, eles desmontaram as comunidades judaicas e transformaram os locais em bases de lançamento de ataques suicidas e jogaram mais de 8.000 foguetes contra Israel . Em 2010, o primeiro-ministro Netanyahu renovou as ofertas de negociações incondicionais para a criação de um Estado palestino, mas os palestinos recusaram, exigindo mais concessões unilaterais israelenses, incluindo o congelamento total de todas as construções israelenses em Jerusalém Oriental e na Cisjordânia.

MENTIRA # 3
Israel é a principal pedra no caminho para alcançar uma solução de dois Estados.

Os próprios palestinos são a pedra no caminho para alcançar uma solução de dois Estados. Com quem Israel deve negociar? Com o presidente Abbas, que, durante quatro anos, foi barrado pelo Hamas e não pode visitar 1,5 milhões de eleitores em Gaza? Com a Autoridade Palestina, que continua a glorificar os terroristas e prega o ódio em seu sistema educacional e de mídia? Com o Hamas, cujos dirigentes a serviço do Iran negam o Holocausto e usam da retórica jihadista fanática para tentar a destruição de Israel?

Hoje, enquanto o Estado de Israel está preparado para reconhecer todos os Estados árabes, seculares ou muçulmanos, estes mesmos estados obstinadamente se recusam a reconhecer Israel como um Estado judeu e ainda procuram “o direito de retorno” de cinco milhões de chamadas palestinos “refugiados” – para dentro de Israel, uma garantia segura para a sua destruição.

MENTIRA # 4
O Iran nuclear, e não Israel , é a maior ameaça à paz

Embora nunca tenha sido reconhecido por Jerusalém, é geralmente assumido que Israel tem armas nucleares. Mas, ao contrário do Paquistão, Índia e Coréia do Norte, Israel nunca fez testes nucleares. Em 1973, quando a sua própria sobrevivência foi ameaçada pela guerra do Yom Kippur , muitos acreditavam que Israel usaria armas nucleares – mas isso não aconteceu. Embora Israel nunca tenha ameaçado ninguém, mulás de Teerã ameaçam diariamente “varrer Israel do mapa.” Os EUA e a Europa podem se dar ao luxo e esperar para ver o que o regime iraniano fará com suas ambições nucleares. Mas Israel não pode. Ela está na linha de frente e se lembra todos os dias o preço que o povo judeu pagou por não ter acreditado em Hitler. Israel não está preparado para sacrificar mais seis milhões de judeus no altar da indiferença do mundo.

Mentira # 5
Israel é um estado de apartheid e merece boicotes internacionais e Sanções.

Em ambos os lados do Atlântico, grupos religiosos, acadêmicos e sindicatos estão conduzindo um boicote enganoso e muitas vezes anti-semita, dizem que os judeus fazem um “apartheid” em Israel.

A verdade é que, diferentemente do apartheid na África do Sul, Israel é um Estado democrático. Sua minoria árabe desfruta de todos os direitos políticos, econômicos e religiosos e das liberdades de cidadania, incluindo a eleição dos membros de sua escolha para o Knesset (Parlamento). Os árabes israelenses e palestinos têm acesso a Suprema Corte de Israel. Em contraste, nenhum judeu pode ser proprietária de imóvel na Jordânia, nenhum cristão ou judeu pode visitar locais sagrados do Islã na Arábia Saudita.

Mentira # 6
Os planos para construir mais 1.600 casas em Jerusalém Oriental provam que Israel quer “judaizar” a cidade santa.

Os inimigos de Israel, exploram esta questão falsa. Jerusalém é santa para três grandes religiões. Sua população diversificada inclui uma maioria judaica e as minorias muçulmanas e cristãs. Desde 1967, pela primeira vez na história, há plena liberdade de religião para todos os credos em Jerusalém. Muçulmanos e cristãos administram seus próprios locais sagrados. Na verdade, aos muçulmanos é permitido controlar o Monte do Templo de Jerusalém, embora ele repouse sobre o templo de Salomão e é sagrado para judeus e muçulmanos.

Enquanto isso, o município de Jerusalém deve atender às necessidades de uma cidade em crescimento moderno. O anúncio, durante a visita do vice-presidente Biden, de 1.600 novos apartamentos em Ramat Shlomo, não era sobre os bairros árabes em Jerusalém Oriental, mas de um bairro densamente povoado por judeus no norte de Jerusalém, onde 250 mil judeus vivem (quase o mesmo população em Newark, NJ) – uma área que nunca será abandonada por Israel.

MENTIRA # 7
Políticas de Israel colocam em perigo os soldados dos EUA no Afeganistão e no Iraque.

A acusação de que tropas de Israel põe em risco os EUA no Iraque ou na região AF-Pak é uma atualização do antigo “facada nas costas” mentira que os judeus sempre traem seus amigos, e o jorro de difamação feito por Henry Ford e os Protocolos dos Sábios de Zion que “os judeus são os pais de todas as guerras.”

O general Petraeus afirmou que Israel é um parceiro estratégico para os EUA e que seus comentários anteriores que ligam a segurança das tropas dos EUA na região a um acordo de paz entre israelenses e palestinos (que dois terços dos israelenses querem) foram retiradas do contexto . Uma resolução do conflito palestino-israelense iria beneficiar a todos, incluindo os EUA mas impor um retorno ao que Abba Eban chamava de “fronteiras de Auschwitz 67” poria em perigo a sobrevivência de Israel e, finalmente, seria desastroso para os interesses americanos e credibilidade no mundo.

MENTIRA # 8
Políticas de Israel são a causa do anti-semitismo.

Desde a Inquisição e os pogroms, mais o assassinato de 6.000.000 de judeus pelos nazistas, a história prova que o ódio aos judeus existiu em escala global antes da criação do Estado de Israel. Em 2010, ele continuaria a existir, mesmo se Israel não tivesse sido criado. Por exemplo, uma pesquisa indica que 40% dos europeus culpam a recente crise econômica global porque os “judeus tem muito poder econômico”, uma ficção que não tem nada a ver com Israel.

O conflito não solucionado palestino-israelense agrava as tensões entre muçulmanos e judeus, mas não é a raiz da causa . Durante a Segunda Guerra Mundial, o Grande Mufti de Jerusalém, um antissemita notório, ajudou os nazistas a organizar a 13 ª Divisão SS, composta de muçulmanos. Infelizmente, além da referência respeitosa aos patriarcas e profetas judeus, o Alcorão também contém virulentos estereótipos anti-semitas que são amplamente invocado por extremistas islâmicos, incluindo o Hezbollah (cujos agentes explodiram o Centro da Comunidade Judaica em Buenos Aires em 1994), para justificar assassinar os judeus do mundo inteiro. O desaparecimento de Israel só iria encorajar violentos odiadores de judeus em toda parte.

MENTIRA # 9
Israel, não o Hamas, é o responsável pela “catástrofe humanitária” em Gaza. Goldstone estava certo quando denunciou que Israel era culpado de crimes de guerra contra civis.

O relatório Goldstone sobre a guerra de defesa de Israel contra Gaza controlada pelo Hamas, de que 8.000 foguetes foram lançados após a retirada unilateral de Israel em 2005, é um produto do conselho dos direitos humanos da ONU. O mesmo que está obcecado com as falsas resoluções anti-Israel. Ele se recusa a tratar de abusos graves dos direitos humanos no Irão, a Coreia do Norte, Sudão, Arábia Saudita, Cuba e outros. Para eles só Israel comete abusos, claro uma visão antissemita.

Confrontado com ataques semelhantes, cada estado membro da ONU, incluindo os EUA e o Canadá certamente teriam agido de forma mais agressiva que as IDFs fizeram em Gaza.

No entanto, Richard Goldstone, um jurista Sul Africano judeu, assinou um documento preparado por pesquisadores cuja qualificação principal foi o viés raivoso e anti-Israel . Ele aceitou todos os anónimos que difamaram as IDFs. Mas ele insistiu que as audiências em Gaza poderiam ser televisionadas, os palestinos jamais falariam a verdade sabendo que o hamas estaria vendo. O professor de Harvard Alan Dershowitz denunciou o Relatório Goldstone como um “libelo de sangue” moderno onde acusam soldados israelenses por crimes que nunca cometeram.

MENTIRA # 10
A única esperança para a paz é um estado binacional, eliminando o Estado judeu de Israel.

A solução de um Estado, promovido pelos acadêmicos, é um binacional, que eliminaria a pátria judaica. Com efeito, o mundo está exigindo que Israel, do tamanho de Nova Jersey, encolha ainda mais, ao aceitar uma solução de três Estados: um Estado-AP na Cisjordânia e um estado terrorista do Hamas com 1,5 milhão de palestinos em Gaza. Tudo isso, com o Hezbollah, aliado do Irã no Líbano, e os estoque de 50.000 foguetes, ameaçando Israel

Em 2010, a maioria dos especialistas em Oriente Médio acreditam que a única esperança para a paz duradoura é de dois Estados com fronteiras definidas . Mas muitos diplomatas, especialistas, acadêmicos e líderes da igreja ignoram o fato de que as pesquisas atuais mostram que enquanto a maioria dos israelenses é favorável a uma solução de dois Estados, a maioria dos palestinos continuam a se opor.

Centro Simon Wisenthal – Tradução: José Antonio Pirs Huff


Anúncios
 
Deixe um comentário

Publicado por em novembro 25, 2010 em Israel, mentiras, Midia

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: