RSS

>Palestinos querem o muro das lamentações

01 dez

>




Não há palestinos, apenas árabes da Palestina. Um estado palestino foi criado pela ONU em 1948, mas os árabes tomaram a terra e a rebatizaram de Trans-Jordânia (a Jordânia de hoje). A Jordânia É o estado palestino. Eles não precisam de um outro.



Israel deveria ter removido todos os árabes para fora do estado judeu em 1948, como todos os países árabes fizeram com suas populações judaicas. Os árabes da Palestina estão tentando roubar cada pedaço de uma história judaica de mais de 5 000 anos e torná-la sua.
NY POST – Da próxima vez que a Casa Branca criticar a relutância do primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu em apoiar a Autoridade Palestina, ela deveria considerar o modo ultrajante como aqueles palestinos estão tentando reescrever a história.

O ministério da informação da AP publicou esta semana um “estudo” oficial declarando que o Muro das Lamentações, na Parte Velha de Jerusalém — reverenciado por 2 000 anos como um dos locais mais sagrados do Judaísmo — não é de modo algum judaico. Na verdade, afirma o relatório de um alto funcionário ministerial, ele não é mais do que o muro ocidental da Mesquita de Al-Aqsa e só tem sido um local de culto judaico para os judeus desde a Primeira Guerra — e isto por “tolerância dos muçulmanos.”


Isto, deve-se observar, não está vindo do Hamas. Isto vem dos mesmos palestinos “moderados” que os presidente Obama e o resto do mundo apoiam, aos quais fazem concessões e em quem confiam para a segurança de longo prazo de Israel

Infelizmente, os esforços árabes para apagarem a história judaica não são uma novidade. O que é repugnante é que estes esforços estejam sendo cada vez mais endossados pelo mundo como um todo.

Mês passado, a Unesco endossou as exigências da AP de que a Tumba de Raquel, nas cercanias de Belém — há muito reverenciado como um local de culto judaico –, não apenas fosse removido de entre os locais históricos declarados de Israel, mas fosse de fato declarado como uma mesquita. Nem mesmo Yasser Arafat fez uma reivindicação dessas até 1996 — e mesmo assim, sem nenhuma sombra de evidência histórica.

A Unesco também declarou que Israel não pode reivindicar a Tumba dos Patriarcas, o local do enterro dos antepassados bíblicos da nação judaica, segundo a tradição, como um patrimônio histórico nacional. E ainda por cima, a Unesco depois votou para remover do registro oficial o protesto do delegado israelence contra a votação, chamando-o de “muito agressivo.”
E é preciso observar que até a administração Obama atacou publicamente Israel por acrescentarem aqueles dois locais à lista de seu patrimônio histórico nacional — um gesto que torna possível a sua preservação.

A razão toda desta atividade contínua é apagar qualquer ligação judaica com a terra bíblica de Israel — com vistas a negar a exitência do moderno estado de Israel.
Tanto mais certo está Netanyahu em agir devagar — e em resistir aos que afirmam que os palestinos estão dispostos a co-existirem com Israel.

 
Deixe um comentário

Publicado por em dezembro 1, 2010 em Israel

 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: