RSS

As Confissões de Moshe Dayan?

16 nov

Uma das formas mais comuns de ataque na guerra acadêmica e da mídia contra Israel é a distorção, citação fora de contexto ou invenção deliberada de frases atribuídas a líderes sionistas célebres. Uma das mais comuns é atribuída ao Moshe Dayan, traduzida para o português abaixo:

“Foram construídas aldeias judias no lugar de aldeias árabes. Você talvez nem mesmo saiba os nomes destas aldeias árabes, e eu não o culpo porque livros de geografia já não existem, não só os livros não existem, as aldeias árabes não estão lá. Nahlal surgiu no lugar de Mahlul; Kibutz Gvat no lugar de Jibata; Kibutz Sarid no lugar de Huneifis; e Kefar Yehushu’a no lugar de Tal al-Shuman. Não há nenhum único lugar onde se estabeleceu este país que não teve uma população árabe anterior.”

MosheDayan, Ha’aretz, 4 de abril de 1969.

As citações dessa frase costumam deixar implícita ou explícita a idéia de uma confissão, de que o chefe de estado estava admitindo que aldeias árabes foram deliberadamente destruídas para o estabelecimento de cidades judaicas. Poucas deixam claro a origem ou o contexto original.

Na verdade o Ha’aretz transcreveu em 4 de abril de 1969 trechos de um discurso feito por ele em 19 de março de 1969 em uma palestra aos alunos do Technion, o Instituto de Tecnologia de Haifa. A citação distorcida foi a resposta à pergunta de um aluno questionando o porquê do governo israelense não adotar uma política de extradição para os palestinos que cometiam crimes na Cisjordânia. Moshe Dayan considerou uma idéia inaceitável, e o cerne da citação é o reconhecimento da convivência pacífica. A citação real conforme transcrita pelo Ha’aretz e traduzida é:

“Nós viemos para uma região que era habitada por árabes e construímos um estado judaico. Em muitos lugares nós compramos terras de árabes e construímos vilas judaicas onde um dia houve vilas árabes. Vocês [dirigindo-se aos estudantes] nem mesmo sabem os nomes [das vilas árabes existentes anteriormente], e eu não o culpo, porque aqueles livros de geografia não existem mais. Não apenas os livros, mas as vilas não existem…”

Ou seja, a intenção real da frase foi demonstrar como não era necessário usar de uma política extrema e injusta para estabelecer uma convivência, pois era possível estabelecer-se de forma pacífica. O mais importante, que é o ponto central excluído da frase, o fato de que em muitos lugares as terras foram compradas.

Considerando a edição extrema que existe entre a transcrição real e a versão divulgada por muitos, resta a dúvida de qual a fonte e qual o objetivo da distorção. Rastrear uma distorção até a fonte da fraude costuma ser bem mais difícil pois nunca se sabe quando alguém está agindo por ignorância ou má-fé. No caso dessa citação, a versão alterada foi criada pelo historiador palestino Walid Khalidi, aparecendo pela primeira vez na introdução do livro “All That Remains: The Palestinian Villages Occupied and Depopulated by Israel in 1948”, p. XXXI.

Walid Khalidi acrescentou os nomes de algums cidades, pois o livro trata exatamente das vilas árabes que existiam e foram destruídas ou evacuadas durante a guerra, e acrescentar a frase na introdução na forma de confissão acrescenta alguma credibilidade ao argumento de que a destruição foi deliberada. No entanto as menções não resistem a um exame mais atento.

Na sua edição da frase Khalidi afirma que “Nahlal surgiu no lugar de Mahlul”. Nahlal, foi em 1921 o primeiro “moshav” estabelecido em Israel, uma comunidade agrícola semelhante aos kibutzim, mas sem o mesmo ideal coletivista. A comunidade foi estabelecida em terras compradas pelo Fundo Nacional Judaico do governo Otomano e não tinha uma população árabe nativa. Dizer que “surgiu no lugar de Mahlul” comprova a má-fé, contando com a ignorância do leitor, pois “mahlul” era um termo usado pela lei otomana para referir-se à terras férteis que eram transferidas para cultivo a arrendatários ou locatários, mas se improdutivas por mais de três anos, a propriedade era retornada ao Estado caso não reclamadas pelo arrendatário original com um pagamento.

Depois Khalidi afirma que o “Kibutz Gvat surgiu no lugar de Jibata”. Esta foi uma das vilas do Vale de Jezreel cujas terras foram compradas da família Sursock pelo Fundo Nacional Judaico em 1924, e o kibutz estabelecido em 1926 na vila então abandonada pelos habitantes originais. O mesmo vale para Kefar Yehushua, que afirma ter surgido no lugar de Tal al-Shuman. A questão da compra de terras, principalmente aquelas envolvendo grandes aristocratas como a família Sursock é muito importante para compreender as origens do conflito, e será tratada aqui no futuro.

Finalmente, ele afirma que o “Kibutz Sarid no lugar de Huneifis”, mas Sarid foi estabelecido em 1926 em uma área deserta desde o Império Romano, e que teve uma tentativa de colonização fracassada, por cristãos alemães em 1883, que sofreram com doenças como tifo e malária e abandonaram o local.

Concluindo, a citação distorcida não conserva qualquer parte do sentido original, de que a convivência pacífica era possível e que muitas vilas judaicas foram estabelecidas pela compra de terras. Pelo contrário, ela inverte completamente o sentido e as adições feitas para reforçar a idéia falsa não têm fundamento.

 
Deixe um comentário

Publicado por em novembro 16, 2011 em Antissemitismo

 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: